Não consigo emprego! E agora?

Este é o pensamento que incomoda como um cisco no olho. Diversas emoções estão atreladas a esse estado “desempregado”, como, frustração, descontentamento, incapacidade, entre outros.

desemprego
Foto: Reprodução

Se você está em busca de uma colocação profissional esse artigo é para você.

Apesar de saber que não existe fórmula mágica para esse caso, vou apresentar aqui sete estratégias que podem potencializar a sua empregabilidade, ou seja, sua capacidade de conquistar um emprego.

1 – Pare de uma vez por todas com a terceirização de resultados, com desculpas ou qualquer outro tipo de subterfúgio, assuma a responsabilidade sobre sua carreira, sua situação financeira e sua capacidade de conseguir um emprego. Assuma a responsabilidade apesar das situações econômicas e políticas, estes fatores você não controla, então adapte-se.

2- Olhe para seu currículo, você se contrataria, verdadeiramente? Qual o seu histórico profissional? E acadêmico? Quais cursos você já fez? Se mantêm atualizado? Investe em cursos extracurriculares? Certificações? Faz trabalho voluntário? Qual historia você está contando em seu currículo? Quais são os seus grandes feitos que estão tornando-o diferenciado para o mercado? Leia livros, lhe indico o “Acelere o seu sucesso pessoal e profissional”.

3- Em que você é bom? Sim, quais são as suas principais habilidades? E lembre-se que se fazer de vítima nesse momento é o mesmo que querer enxugar gelo. Faça um autodiagnóstico, peça ajuda de um familiar, amigo ou se possível de um Coach. Existem ferramentas específicas que podem ajudá-lo a se conhecer melhor e levantar suas principais características comportamentais, mantenha foco no que você se destaca.

4 – No mercado de trabalho: infelizmente algumas pessoas ainda pensam “tem que me contratar do jeito que sou” em vez de pensar: “O que posso ajustar em meu comportamento para ser contratado?”. Uma empresa não pede para você perder sua individualidade, porém ela busca profissionais alinhados com suas demandas, então, ou você se ajusta, ou em muitos casos, estará fora. Uma característica muito importante aqui é a capacidade do empregado em obedecer, isso mesmo, OBEDECER, independentemente de seu cargo, existe uma hierarquia que deve ser respeitada, obedecida. Analise o mercado, acesse a internet com o objetivo de conhecer mercados, áreas de atuação de empresas, para buscar o nicho que pretende atuar.

5 – Tenha foco! “O que aparecer eu pego”, esta é uma frase comum de quem busca colocação no mercado de trabalho, isso mostra desespero e nem sempre traduz a realidade, a ausência de foco faz o candidato se perder no processo. Olhe para suas habilidades natas, observe o mercado e estabeleça o que especificamente deseja, em nível de cargo e segmento, esse comportamento vai aproximar você dos resultados almejados.

6 – Use todo o seu QI, não o quociente de inteligência, utilize o QUEM INDICA! Boa parte dos cargos são preenchidos por indicação, ou seja, é fundamental você se relacionar, conhecer pessoas, profissionais de mercado. Porém, lembre-se, só é indicado quem é confiável e de boa fama, ou seja, se você não construir uma imagem positiva em torno de você, jamais será indicado. Grifo aqui sua vida digital, olhe para suas redes sociais, se alguém que não conhece você o descrevesse a partir de suas publicações, qual seria o resultado? Para ser indicado não basta ser competente, é necessário também parecer competente e transmitir profissionalismo no falar, vestir, e principalmente, em seus comportamentos.

7 – O mais importante é a sua atitude. Ela que vai definir sua atitude profissional. É possível, você é capaz e merece conquistar um espaço no mercado de trabalho. Portanto mantenha um olhar de águia, atento às oportunidades, comunique-se com pessoas chaves, envie currículos, faça trabalho voluntário, se relacione, desenhe um plano de ação profissional e coloque em prática.

Em meio a tudo que você leu quais serão suas ações diante desse artigo? Lembre-se, no fundo, são suas atitudes que definirão seu sucesso ou insucesso.

Texto publicado primeiramente em: Sociedade Pública

0 comentários:

Postar um comentário